You are currently viewing Biólogo de Jardim Botânico em Goiânia estuda reprodução de borboletas realizada no Mangal das Garças

Biólogo de Jardim Botânico em Goiânia estuda reprodução de borboletas realizada no Mangal das Garças


Por sua grande atratividade a reserva José Márcio Ayres é um dos espaços mais visitados do Parque Zoobotânico Mangal das Garças. O local abriga uma diversidade de espécies, sendo também referência de laboratório vivo para instituições de pesquisa interessadas na biodiversidade amazônica, como é o caso do biólogo Jailton Castro, que veio de Goiás a Belém para observar o trabalho realizado pela equipe técnica do Mangal na reprodução de borboletas.
Com o objetivo de adquirir conhecimentos para aplicar em um futuro borboletário a ser inaugurado no Jardim Botânico de Goiânia, o pesquisador está na capital desde a última terça-feira (29 de março), e tem realizado um processo educativo de treinamento, por meio do acompanhamento do trabalho realizado em cada etapa metamórfica dos insetos. 


“Em novembro de 2021, vislumbramos a possibilidade de criar o borboletário no Jardim Botânico de Goiânia. A partir de então, começamos a pesquisar por criatórios de borboletas no Brasil, até que chegamos ao trabalho realizado no Mangal das Garças, que é uma grande referência nacional neste sentido”

declara Jailton Castro.


O biólogo conta que entrou em contato com a gerência do Parque, que de prontidão aceitou recebê-lo. Castro revela que após estes primeiros dias de observação pôde notar que, a equipe técnica do Parque Mangal das Garças não apenas tem o cuidado necessário à reprodução, como buscam também proporcionar a melhor forma de adaptá-las considerando a sazonalidade da região, uma vez que as incidências das borboletas estão ligadas às condições climáticas.


“É admirável o trabalho realizado por aqui. Algumas das espécies que ocorrem aqui no Estado do Pará, também ocorrem em Goiás, então é mais fácil de aprendermos a operar o manejo delas por meio da observação do borboletário do Mangal. Nós só vamos apenas adaptar a questão da temperatura, pois os estados possuem climas consideravelmente diferentes e isso influencia no ciclo de criação da borboleta”,

discorre o biólogo.


Jailton diz que, com estas espécies e com estas informações em mãos, a implementação delas no futuro borboletário de Goiás, bem como o processo de adaptação delas às condições da região será mais efetivo. O biólogo elogiou a estrutura do parque, que considerou ampla e apropriada para toda a logística necessária na criação das borboletas, e revela que deseja uma estrutura nos mesmos parâmetros para o Jardim Botânico de Goiânia, onde está planejando implementar no futuro borboletário a ser inaugurado.
Basílio Guerreiro, biólogo do Mangal das Garças, destaca a importância do trabalho realizado no Parque com diversas espécies da fauna e flora amazônica e o reflexo positivo que o serviço traz para o Estado do Pará. 


“É inegável que o Pará, por meio do Mangal das Garças, tem destaque nacional e internacional em se tratando da reprodução de borboletas. É um trabalho que exige muita dedicação. Estarmos sempre testando novas espécies, pois o clima da nossa região é peculiar e algumas borboletas incidem em tempos chuvosos e outras em tempos secos, o que define a abundância dos insetos. Podermos realizar a soltura de dezenas de exemplares quase diariamente demonstra que estamos no caminho certo”,

afirma Basílio.


Guerreiro destaca ainda, que o interesse de outros estados pela pesquisa e trabalhos realizados na capital, por meio do Mangal das Garças, é muito interessante, já que, além de ofertar os conhecimentos adquiridos, é possível  aprender e cruzar novas técnicas, além de denotar a possibilidade de parcerias futuras, como exemplo por meio de um intercâmbio entre espécimes. 


“Sempre que pesquisadores entram em contato, o parque zoobotânico está aberto para recebê-los, tanto para ensinar quanto para aprender. Ter esta troca de informações e de bancos genéticos é muito importante para a sobrevivência de parques naturalísticos, zoológicos e museus de todo o Brasil e do mundo”,

frisa o biólogo.


Atualmente, o borboletário do Mangal das Garças tem sete espécies de borboletas, entre fixas sazonais. As mais conhecidas são as julias (Dryas iulia), que se caracterizam pela cor laranja e as olho-de-coruja (Caligo illioneus), como o próprio nome sugere, elas têm olhos parecidos com os das aves noturnas.


Além da reprodução, a equipe técnica do Parque faz a condução da visitação pública, fomentando a educação ambiental e explicando como funciona o laboratório natural, a reprodução das borboletas e como as espécies vivem no ambiente natural. A soltura das borboletas na reserva José Márcio Ayres (borboletário) ocorre diariamente, nos horários de 10h e 16h. 

Programação diária no Mangal das Garças:– Alimentação das Iguanas no caminho para o farol – 8h30– Alimentação das Tartarugas e peixes no lago – 10h30– Passeio com a coruja Nairóbi: de terça a sexta, às 9h– Soltura das borboletas no Borboletário: 10h e 16h (monitorado)– Passeio da coruja Olívia – 17h
Serviço:Para entrada e permanência no local, é obrigatório usar máscara e apresentar, na entrada do espaço, a carteira de vacinação com as duas doses em dia e um documento com foto.
A entrada no Parque Zoobotânico Mangal das Garças é gratuita, exceto nos espaços de visitação monitorada, para os quais o ingresso custa R$ 7, 00 (sete reais) cada. 
Texto: Gabriel Nascimento/Ascom Pará 2000

Deixe um comentário